sábado, 6 de maio de 2017

domingo, 30 de abril de 2017

Cantor Belchior morre aos 70 anos

© Reprodução Cantor e compositor Belchior
O cantor e compositor Belchior morreu, aos 70 anos, na madrugada deste domingo, 30, em Santa Cruz, no Rio Grande do Sul.

A família do artista já comunicou o governo do Ceará e pediu ajuda para realizar o translado do corpo para a cidade de Sobral, no Ceará, onde ele nasceu e será enterrado.

O governo do Ceará decretou luto de três dias no Estado pela morte de Belchior.

Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, conhecido como Belchior, fez fama nos anos 70 com álbuns como Elogio da Loucura (1988) e Vício Elegante (1996).

Por Renata Okumura - Estadão

Rejeição a Temer cresce; 85% dos eleitores defendem eleição direta

© Reuters
A impopularidade do governo do presidente Michel Temer (PMDB) avançou, segundo pesquisa Datafolha divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo neste domingo (30). Para 61% dos eleitores entrevistados, o governo do peemedebista é ruim ou péssimo, 28% o consideram regular e apenas 9%, ótimo ou bom.

A rejeição de Temer é comparável à da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), às vésperas do processo de impeachment, que aconteceu em agosto de 2016. Em abril do ano passado, Dilma tinha 63% de rejeição e 13% de aprovação.

Os discretos 9% de aprovação são também comparáveis à taxa do ex-presidente Fernando Collor de Mello antes de ser cassado, em setembro de 1992, embora a reprovação fosse maior (68%).

Considerado pela pesquisa como candidato a reeleição em 2018, a rejeição de Temer também aumentou, saltando de 45% para 64% de dezembro para cá.

Michel Temer atribui a sua impopularidade às reformas do seu governo, como a trabalhista e a previdenciária, que estão em tramitação no Congresso Nacional e, segundo ele, são essenciais para o país.

Notícias Ao Minuto

Comunicado aos beneficiados do Programa do Leite de Japi-RN

A coordenação do programa do leite de Japi-RN, comunica aos beneficiados do programa que nesta segunda-feira, 1º de maio, vai ter leite a partir das 09:00 horas da manhã.

Atenciosamente, coordenadores: Pedrinho Locutor e Walquíria Araújo.  

Sindicatos protestam contra reformas no feriado de 1º de maio

© Roberto Parizotti / CUT
Após a greve central da última sexta-feira (28), as principais centrais sindicais do país pretendem usar o 1º de maio, feriado do Dia do Trabalho, como palco para tentar frear as reformas trabalhista e da Previdência.

As centrais preveem atos nas principais capitais do país e emitiram um comunicado, unificado, convocando a população a"ocupar Brasília" com o objetivo de barrar a reforma trabalhista.

Em São Paulo, o evento da CUT (Central Única dos Trabalhadores), "1º de Maio da Resistência", será realizado na avenida Paulista e terá shows com o rapper Emicida, Mc Guimê e Leci Brandão, entre outros artistas.

O início está previsto para 12h, com ato político marcado para 15h –o ex-presidente Lula é esperado, mas sua presença ainda não foi confirmada.

A Força Sindical fará manifestação a partir de 9h na praça Campo de Bagatelle, zona norte. Além de shows de Michel Teló, Zezé Di Camargo & Luciano e Fernando & Sorocaba, haverá sorteio de carros.

A CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) levará seu evento ao Sambódromo do Anhembi, após tentar, sem sucesso, realizar o ato no Memorial da América Latina. A festa terá a participação de dirigentes sindicais.

Na Catedral da Sé, a UGT (União Geral dos Trabalhadores) estará na tradicional missa em homenagem ao trabalhador na manhã do feriado. Com informações da Folhapress.

Aniversariantes do Dia - 30/04/2017


Homem morre após ônibus colidir com motocicleta na RN-203 neste domingo

Divulgação / PM
Um homem morreu após um ônibus colidir com uma motocicleta na RN-203 na manhã deste domingo 30, precisamente entre os municípios de São Pedro e São Paulo do Potengi, distantes aproximadamente 60km da capital Natal.
A vítima fatal ainda não foi identificada, mas sabe-se que era a pessoa que pilotava a moto. Não se tem informações precisas sobre quantos passageiros do ônibus ficaram feridos e nem de quantos aquele veículo carregava. O ônibus é caracterizado como de excursões.
Logo depois de ter colidido com a motocicleta, o motorista do ônibus perdeu o controle do veículo, saiu da pista e acabou capotando. Segundo informações da Polícia Militar, ele saía do município de São Paulo do Potengi e tinha como destino a lagoa da Boa Água, em São José de Mipibu, na região metropolitana de Natal.
Agora RN

Lula lidera e Bolsonaro chega a 2º lugar, diz Datafolha

© Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - ...
Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mantém-se na liderança na corrida para a Presidência em 2018 segundo a primeira pesquisa do Datafolha após a delação da Odebrecht à Operação Lava Jato. Apesar de ser um dos nomes citados nos depoimentos, Lula chega a 30% das intenções de votos e amplia a distância dos demais possíveis candidatos.

Marina Silva (Rede) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) aparecem em seguida. O político de extrema direita subiu de 9% para 15% e de 8% para 14% nos cenários em que disputam, respectivamente, os tucanos Aécio Neves e Geraldo Alckmin. Em ambos os casos Bolsonaro surge tecnicamente empatado com Marina. Em simulações de segundo turno, a candidata da Rede e o juiz Sérgio Moro são os únicos que vencem Lula.

A pesquisa também aponta que nomes relevantes do PSDB e o atual presidente Michel Temer (PMDB) sofrem com altos índices de rejeição. Temer, com 64%, lidera o ranking, seguido por Lula (45%), Aécio (44%) e Alckmin (28%). Quem ganha com a queda da popularidade dos colegas do PSDB é João Dória. Com baixa rejeição (16%), o prefeito de São Paulo desponta como um possível presidenciável. Contudo, ainda surge abaixo de Lula, Marina e Bolsonaro nas intenções de votos em um primeiro turno.

Por Raquel Carneiro – VEJA.com

Temer inclui Antônio Jácome em lista de ‘infiéis’ por voto contra reforma trabalhista

Presidente Michel Temer e deputado Antônio Jácome - Divulgação
O presidente Michel Temer listou cerca de 25 parlamentares que terão seus aliados demitidos de cargos públicos por terem votado contra o governo na proposta de reforma trabalhista e também por não apoiarem a reforma da Previdência. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, o parlamentar potiguar Antônio Jácome (PTN) está no conjunto.
A estratégia do Palácio do Planalto é tirar os cargos dos parlamentares considerados infiéis e transferir as nomeações para outros, em troca dos votos destes deputados na reforma da Previdência.
O governo considera ter sido traído por cerca de 70 deputados. Espera que as demissões ajudem a reverter a posição do resto do grupo.
Os alvos são deputados que compõem a base de Temer, mas são considerados “irrecuperáveis” — ou seja, traíram o governo e não podem ser convencidos a apoiar a reforma da Previdência.
Há nomes de dez partidos, como o PMDB, o PP e o PSB, que declarou posição contrária às reformas e deve ser o mais atingido.
Alguns dos integrantes da lista, além do deputado Antônio Jácome, são Gonzaga Patriota (PSB-PE), Cícero Almeida (PMDB-AL), Luciano Ducci (PSB-PR), Marcelo Álvaro (PR-MG) e Jony Marcos (PRB-SE).
Agora RN

Desempregados no 1º de maio

© NILTON FUKUDA/ESTADÃO Carteira de trabalho
Na véspera do feriado de 1.º de maio, Dia do Trabalho, cada vez mais brasileiros têm pouco a comemorar. No trimestre encerrado em março, o País ficou com 14,2 milhões de desempregados, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada na última sexta-feira. Por traz dos números, cada trabalhador em busca de recolocação tem sua história para sobreviver à crise.

Há do imigrante que viu sua chance de mudar de vida no Brasil ir embora nos últimos anos a quem precisa buscar o primeiro emprego quando as vagas sumiram.

Quase 20% dos que não têm ocupação procuram emprego há mais de dois anos, segundo os dados mais recentes de busca de vagas da Pnad Contínua, encerrada no último trimestre do ano passado. Em um cenário em que o número de desempregados só aumenta, mais da metade está procurando trabalho há até um ano.

“Mesmo depois que o País começar a retomar a atividade, vai demorar para o emprego voltar a crescer”, diz Hélio Zylberstajn, professor sênior da USP. “Uma maneira de acelerar a criação de vagas seria o governo destravar a área de concessões de infraestrutura. O resumo dessa história é que o desemprego ainda deve crescer antes de começar a cair.”

Por Douglas Gavras - Estadão